Laguna Colorada - Uyuni

Iniciamos cedo nosso dia, saímos as 7:00 em direção ao nosso primeiro atrativo, a Árvore de Pedra. A formação rochosa segue a mesma composição do vale das rochas porém no formato bem característico de uma árvore, por isso seu nome.

Fizemos duas paradinhas até a Laguna Honda, uma para observar as "vizcachas" (similar ao coelho) e outra no mirador de um vulcão ativo (não me lembro o nome). Na Laguna Honda, os flamingos se concentravam no centro, aguardando as bordas descongelarem para iniciar sua busca por alimentos.



Na sequência, a Laguna Hedionda, aonde podemos chegar a poucos metros dos flamingos sem que eles se sintam incomodados ou assustados. Ali fizemos algumas fotos com eles e permanescemos por alguns minutos admirando o local que para nós foi um dos visuais mais marcantes desta viagem.

Passamos pelo Salar Chiguana aonde transitamos pelo meio do Borax (matéria prima do Boro). Por coincidência, um dos trens que leva o material para Antofagasta cruzou conosco.



Finalmente, para completar estes dois dias, o Salar do Uyuni nos deu o ar da graça! A sua imensidão branca é realmente impressionante e a sensação de estar ali é única. Fizemos divertidas fotos e nos dirigimos à ilha Incahuasi. A ilha composta de pedra e um aproximado de 4030 Cactus adultos que abrigam ninhos de pássaros, vizcachas e etc. Nesta ilha fizemos algumas fotos, uma pequena trilha e saímos na direção do hotel de sal.

Visitamos o hotel Playa Blanca que é o único hotel de sal localizado dentro do salar. Existem outros hotéis como este, em funcionamento, ao redor do Salar do Uyuni. No hotel Playa Blanca, que ainda funciona a um custo de 150 bolivianos a noite, incluindo café da manhã e jantar, pode-se ver uma espécie de mundo de sal.Cadeiras, mesas, esculturas, camas e etc..tudo feito com sal! Nas épocas de chuva, o próprio sal também é usado como reboco na parte externa para proteger os blocos de sal (tijolos) da ação da água.
Nos olhos de sal ou (ojos de sal), tivemos contato com a água que borbulhava debaixo do salar. Naquela região a espessura do sal é menor e é possível ver a água brotando no chão. Este efeito só é possível de ser observado quando o salar está seco.







Nosso último atrativo no salar foram os montes de sal ou pirâmides de sal. Ali naquela região, quase na borda do salar, a atividade de extração do sal é permitida. Raspa-se o sal do chão e coloca-se em montes para a secagem e posterior processamento.

Retornamos para a cidade do Uyuni e fizemos uma rápido no cemitério de trens antes de nos despedirmos dos simpáticos motorista e cozinheira que nos conduziram nestes dois dias.




0 comentários